POL√ćCIA - 11/05/2012 14:55

Em Pontes e Lacerda

Polícia Civil desarticula quadrilha e apreende dinheiro e armas

SECOM/MT

A Polícia Judiciária Civil recuperou R$ 35 mil de um assalto e apreendeu seis armas de fogo, na tarde de quinta-feira (10.05), na cidade de Pontes e Lacerda (448 km a Oeste de Cuiabá). A operação "Sorte Grande" teve início após a apreensão de um adolescente, integrante de uma quadrilha envolvida em assaltos a bancos e caixas eletrônicos, na região de fronteira.

O dinheiro e as armas de fogo estavam em uma chácara, distante cerca de 18 quilômetros da cidade, onde foram apreendidos duas submetralhadoras calibre 9 mm, três espingardas calibre 12 e um revólver 38, armas utilizadas no roubo, praticado na quarta-feira (09.05) contra um empresário, dono de uma Casa Lotérica, que transportava quase R$ 100 mil num malote. Ele foi assaltado quando descia do carro em frente à uma agência da Caixa Econômica Federal para efetuar o depósito. 

O adolescente, M.A.R, 16 anos, foi reconhecido pela vítima e confessou a autoria do crime. Durante depoimento na delegacia denunciou outros participantes e o local onde teria sido feita a partilha do dinheiro, a queima de cheques e do malote. 

Ao chegarem à chácara, os policiais avistaram pelo menos dois suspeitos, que ao perceberem a movimentação fugiram para região de mata fechada, trocando tiros com os policiais que os perseguiam. 

De acordo com o delegado regional, José Emílio Gadioli, existem fortes indícios que a quadrilha é a mesma que vem praticando outros crimes na região, como o roubo às agências do Sicredi de Vale de São Domingos e Nova Lacerda e a explosão do caixa eletrônico do Banco do Brasil, no prédio da Prefeitura de Pontes e Lacerda. “As ações dos acusados têm causado grande comoção social devido ao uso extremo da violência. Essa quadrilha tem de quatro a cinco procedimentos na Delegacia de vários crimes”, frisou Gadioli. 

Três integrantes da quadrilha já estão presos na Cadeia Púbica da região, em ações anteriores da Polícia Civil e outros quatro estão com mandados de prisão decretados pela Justiça. 

Conforme o chefe de operação Odiney Assunção, as investigações terão continuidade até a prisão de todos os envolvidos.
 


√öltimas